Brasil

Glenn Greenwald e a narrativa anti-Bolsonaro da extrema mídia

Glenn Greenwald e a narrativa anti-Bolsonaro da extrema mídia

O clima de guerra entre o governo Bolsonaro e a grande mídia é real e conhecido por todos.

A constante tentativa da imprensa de difamar, mentir e jogar na lama a credibilidade dos membros do governo e do próprio presidente Jair Bolsonaro é perceptível em cada notícia duvidosa – para dizer o mínimo -, título de matéria que a própria o contradiz e, principalmente, supervalorização de escândalos irreais.

Tal situação ganhou um novo capítulo no sábado (26) quando o jornalista norte-americano Glenn Greenwald fez um relatório em forma de vídeo para o The Intercept. Ao falar de um ‘’escândalo dramático e sombrio que afoga o governo Bolsonaro’’, Greenwald comete erros grosseiros, omite intencionalmente alguns fatos e mente descaradamente com o propósito único de atacar o governo.

Glenn Greenwald é cônjuge de David Miranda, vereador do Rio de Janeiro e agora deputado federal filiado ao PSOL. Por si só, o seu envolvimento com um deputado esquerdista já o tornaria suspeito para falar de Jair Bolsonaro. Na época do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, Greenwald reverberou a tese ridícula de que a mesma estava sendo vítima de um golpe.

As provas do crime de responsabilidade fiscal, as delações premiadas na Lava Jato citando Dilma em esquemas de corrupção e a profunda crise econômica que o Brasil enfrentou devido aos crimes de Dilma nunca foram considerados pelo jornalista em sua análise irreal.

No ‘’relatório’’ publicado dias atrás, o jornalista diz que a TV Record é ‘’associada com a extrema-direita cujo dono é o milionário evangélico Edir Macedo, apoiador da candidatura de Bolsonaro, e que se tornou célebre por realizar entrevistas bastante amigáveis aos membros da família Bolsonaro’’. Ele omite intencionalmente que o próprio Edir Macedo apoiou Lula e Dilma em suas respectivas eleições, e o PRB, partido ligado à sua igreja, foi coligado por anos com o PT.

O líder da Igreja Universal já defendeu publicamente Dilma Rousseff e disse que boatos contra ela eram ‘’jogo do diabo’’. É no mínimo surpreendente que um líder religioso que por anos apoiou a esquerda mude de posição e passe a ser ligado a ‘’extrema-direita’’.

Quanto a Flávio Bolsonaro, sua postura e falas ao longo do ‘’relatório’’ dão a entender que o senador eleito já é condenado nas acusações que pesam contra ele – sendo que ele nem sequer é réu. Os ‘’misteriosos’’ depósitos fracionados foram justificados por Flávio por uma venda de um apartamento, versão que o próprio comprador confirmou. Como deputado estadual, Flávio recebia R$ 25 mil. Além disso, é dono de uma franquia. Até que nada seja provado, todas essas acusações não passam de pura especulação com viés político.

Até aqui, nada de diferente da grande mídia. Só que Glenn Greenwald foi além e conseguiu acusar Flávio Bolsonaro de estar ligado ao assassinato da ex-vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco. Citando uma suposta ligação de Flávio com um chefe de uma milícia, Greenwald mais uma vez omite que as investigações duram quase um ano e o principal suspeito de ser o mandante do crime é Marcello Siciliano, vereador do Rio pelo PHS, partido de esquerda. Nenhuma evidência que possa ligar o senador eleito ao assassinato de Marielle foi sequer encontrada.

Desde o começo das investigações sobre o caso, o nome de Jair Bolsonaro sempre foi levantado pela esquerda como responsável indireto pelo crime. Porém, é a própria esquerda que está envolvida em crimes políticos. Ou alguém esqueceu do caso Celso Danielonde o então prefeito de Santo André foi assassinado e a suspeita recai na alta cúpula do PT? Muitos investigadores e testemunhas já morreram misteriosamente. O próprio Jair Bolsonaro foi esfaqueado por um militante de esquerda que foi filiado ao PSOL.

Glenn Greenwald mentiu, omitiu e superestimou informações que embasam suas críticas e acusações ao governo Bolsonaro. Nada muito diferente do que se vê nas redações de jornais e nas bancadas de telejornais. É a desonestidade típica da grande mídia querendo manchar a honra e o nome de seus inimigos. A mesma grande mídia que vem errando feio em suas previsões. É nela que podemos confiar? É em Glenn Greenwald? Certamente que não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.