Brasil

QUE SEJA ZERO! Número de PMs mortos no Rio em 2018 é o menor em 24 anos

O número de policiais militares mortos no Estado do Rio em 2018 é o menor dos últimos 24 anos. Levantamento feito pelo EXTRA com base em dados internos da PM revela que 92 agentes foram assassinados neste ano, 43% a menos do que os registros de 2017, quando moreram 163 policiais, segundo a Comissão de Análise da Vitimização Policial da corporação.

Do total de PMs mortos este ano, 24 — ou um quarto — estavam de serviço, 13 eram policiais reformados e 55 estavam de folga no momento do crime.

De acordo com o levantamento, mais da metade dos agentes da ativa assassinados fora de serviço foi vítima de assaltos ou reagiu a uma tentativa de roubo que testemunharam. Quinze desses policiais foram executados em emboscadas ou tiveram seus corpos encontrados com marcas de tiros. Outros oito foram assassinados após brigas ou discussões — dois deles foram mortos por outros policiais. Um PM foi morto por militares do Exército, após furar uma blitz.

Ao todo, 28 PMs — vítimas tanto de tentativas de assaltos quanto de execuções — foram reconhecidos como policiais antes de serem mortos. É o caso, por exemplo, do soldado Patrick Batista Lopes, que estava de folga, em janeiro, quando foi sequestrado e morto por traficantes da Favela da Linha, em São Gonçalo. Os criminosos abordaram Patrick, que estava de carro, e, ao reconhecê-lo como policial, o levaram para dentro da favela. O corpo foi encontrado com 11 tiros, no banco de trás de um veículo na Rodovia RJ-106, em São Gonçalo. A Justiça decretou a prisão de três suspeitos. Um deles está preso.

Histórias como a do soldado provocaram comoção e uma reação da corporação, que passou a adotar protocolos para reduzir a letalidade de policiais, inclusive promovendo cursos voltados especificamente para esse propósito.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.