Os absurdos da política brasileira e a influência da esquerda global

Os absurdos da política brasileira numa imagem.

EDITORIAL

Não bastasse os absurdos normais da própria ideologia de esquerda, a política nacional, esquerdista até entre conservadores, investe em tentativas abusivas de legislar a favor da impunidade. Lei de imigração aprovada, lei de abuso de autoridade em andamento e tentativas do próprio Ministério Público Federal de destruir a Lava Jato por dentro são os abusos nesse momento.

Se por um lado Temer segue com uma agenda de reformas das leis trabalhistas e da previdência, de outro o congresso insiste numa agenda autocrática e a favor da impunidade. Por outro lado, a ideologia de esquerda segue dominante na política nacional, com a aprovação de uma lei de imigração que derruba as fronteiras brasileiras e pode levar o país a um futuro totalmente desconhecido.

Enquanto a França vota maciçamente em Le Pen, os EUA elegem Trump e o Reino Unido aprovou o Brexit, o Brasil vai na contramão. Ainda mais porque ainda temos muitos esquerdistas tucanos, do PMDB e do DEM no poder. A esquerda brasileira invadiu, com sua ideologia e seus planos mirabolantes, os diversos partidos que existem no Brasil. Restando à direita apenas poucos políticos e a maioria do povo brasileiro.

Maioria anestesiada que, enquanto não percebe que precisa de mais representatividade, não se organiza para criar novos partidos e fazer novas políticas. Não pressiona devidamente os nossos curiosos autocratas, que se acham seguros numa ilha: Brasília. E só restará a todos nós fazê-los entender que não estão numa fortaleza. E apenas você pode fazer isso.

Os absurdos da mídia global #FakeNews sobre Le Pen

Estamos vendo novos absurdos da mídia global sobre a candidatura de Marine Le Pen na França. As mais recentes dão conta de que essa candidata seria uma política de extrema direita. É a mesma história de sempre: para uma mídia de extrema esquerda, qualquer um ligeiramente mais conservador seria de direita.

Ainda que Le Pen seja a favor do aborto e de outros temas que estão destruindo os franceses, ela é sincera sobre as políticas de imigração na França. A França jamais sofreu tantos atentados terroristas como nos últimos anos. Foram absurdos que levaram mais centenas de franceses a morrerem vítimas de radicais islâmicos. O mundo vê essa realidade com cautela, enquanto o Brasil aprova, silenciosamente, uma lei de imigração que tornaria o país um dos primeiros a ter fronteiras abertas no mundo.

A mídia nacional, também da linha #FakeNews, segue sem publicar nada sobre o assunto. Temerosa de uma avaliação negativa, afinal o Brasil ainda tem um número enorme de desempregados, a política de imigração desenfreada deve baixar salários dos brasileiros ainda mais. Mas isso a mídia não fala.

Cabe a nós do Avança Brasil dizer a verdade sobre o assunto. Por isso estamos insistindo para que Michel Temer vete essa terrível lei de imigração. Ainda que isso pareça impossível, já que o ministro das relações exteriores, defensor do projeto, foi escolhido por Temer para compor a base tucana de seu desgoverno.

A verdade sobre a lei da imigração e a tentativa da esquerda de permanecer no poder

Enquanto o Brasil patina nesse esquerdismo radical, o mundo fica atento e fecha as suas fronteiras para essa triste realidade. Porém o Brasil deve ter diversos imigrantes por aqui. Qual a motivação dessa esquerda brasileira? Obter votos. Eles vão facilitar e estimular imigrantes a terem os seus títulos de eleitor e receber benefícios sociais. Como então eles poderiam votar em outros candidatos diante de um cabresto tão sofisticado?

É isso o que já ocorre na Europa. E vai ocorrer no Brasil. Tudo porque a esquerda não quer sair do poder. E enxerga nessa lei de imigração uma forma de trazer cidadãos que passarão vinte ou trinta anos votando exclusivamente nessa esquerda radical. Que quer destruir o Brasil e sua cultura judaico-cristã para implantar o multiculturalismo venenoso e, por vezes, radical.

O que leva a esquerda a fazer isso é a mesma intenção que tiveram os democratas nos Estados Unidos e os socialistas europeus. O fato disso não ser divulgado na mídia tradicional de forma alguma reflete a falta de visão sobre a realidade que está clara diante dos olhos de todos. Cabe a nós dizer a verdade e fazer de tudo para que ela seja conhecida pelo máximo de gente possível.

A esquerda mundial influencia e muito a política no Brasil

Durante os anos Lula e Dilma, os indicados do Brasil para a ONU foram todos quadros do PT. É natural que as cartilhas da ONU de educação incluam, portanto, a ideologia de gênero como um programa a ser implantado no Brasil.

Com uma canetada, Temer disse que não implantaria a ideologia de gênero na educação. Mentira. Quem decide como os filhos serão educados não é o presidente, nem o MEC. Quem decide o que vai ser ensinado são os professores. E eles podem fazer o que quiser com os seus filhos no horário cativo que eles têm com eles.

Os absurdos da política brasileira numa imagem.
Os absurdos da política brasileira numa imagem.

Cabe aos pais e mães brasileiros despertarem para essa realidade e cobrar uma postura de todas as escolas quanto a essa pauta. A ideologia de gênero é uma armadilha para criar pessoas com problemas psiquiátricos gravíssimos, com alto risco de suicídio diante dessas perigosas ideias.

Enquanto essa esquerda globalista estiver na ONU e se achar no direito de pautar o mundo todo com suas ideias radicais, o Brasil estará em perigo. O que eles mais querem é fabricar analfabetos funcionais nas escolas, gente incapaz de entender a realidade do mundo e que defende mais poder na mão de poucos elitistas da esquerda.

É preciso quebrar a influência dessa esquerda globalista utilizando as ferramentas que temos: a busca pelo conhecimento, a verdade e a capacidade crítica. Coisa que o brasileiro vem perdendo com o excesso de mediocridades do mundo de hoje.

Vamos dar um fim nisso? Está na hora de nos organizarmos para mudar o Brasil como queremos. Afinal, somos a maioria desse país. E os políticos não podem desrespeitar o povo dessa forma.

Deixe uma resposta