O que que é isso, presidente Michel Temer?

Movimentos democráticos entregaram uma carta de apoio às medidas boas às quais o presidente Michel Temer se comprometeu. Mas isso não nos impede de cobrar atitude ética onde ele não a demonstra.

EDITORIAL

O que que é isso, presidente Michel Temer? Destoou um pouco a sua indicação do Alexandre de Moraes para o STF. Sua manobra com o Moreira Franco tampouco pegou bem.

Possivelmente prestes a ser cassado pelo TSE devido a gráficas subversivas da campanha, Temer deveria encerrar seu breve governo com algum legado positivo. No entanto, tem se esforçado para manter no poder os antigos apadrinhados que jamais mereciam ainda estar lá.

Está na hora de mudar de direção. Ou o seu destino pode ser inevitável. Assim como o de FHC, que vai cair de vez no ostracismo por ter ajudado Lula.

Presidente Michel Temer: por que se comprometer com FHC e com a ala envolvida na Lava Jato do PMDB?

No entanto o que estamos vendo é a absoluta entrega do poder ao grupo do comunista fabiano Fernando Henrique Cardoso. O compromisso, portanto, de reformas realmente importantes vai ficar para depois.

Até porque a nossa constituição de 88 já tem as bases marxistas de planificar a economia ao máximo. Conceitos como os impostos progressivos já são colocados como realidade a partir da famosa “tabela do imposto de renda”, que faz a classe média pagar mais imposto do que os ricos e do que os pobres. Para um socialista, como FHC e seu grupo, quanto mais nada for feito, mais socialismo teremos no Brasil. E é isso o que eles querem.

Por isso jamais FHC reformou alguma coisa substancialmente. Jamais Lula fez algo nesse sentido. Acreditamos no lema de nossa bandeira e na letra de nosso hino. Talvez possa ser alguma ingenuidade a nossa acreditar que o seu governo, que usou como lema a frase “Ordem e Progresso” pudesse alcançar a primeira para buscar a segunda.

Está, na verdade, cancelando a primeira e impedindo que o Brasil possa ter algum progresso de fato. Aqui parece ser mais fácil implantar o tipo de progresso que os progressistas comunistas querem. Jamais o compromisso com a nação na política, mas sim o compromisso com uma elite vermelha formada pelo grupo do Lula e pelo grupo do FHC. Que sempre quiseram as mesmas coisas. A discordância e oposição entre eles é uma ilusão.

Tanto que FHC foi testemunha de defesa de Lula. Só que ele complicou Lula em seu depoimento a Sérgio Moro. Isso o desqualifica para ser presidente de qualquer coisa. Assista.

Michel Temer está comprometido com o projeto socialista de Lula e FHC

O projeto do engodo, da falsa oposição entre Lula e FHC, é parte de um antigo jogo político ainda em ação no país. Implantar o socialismo ou comunismo no Brasil estava difícil, pois a oposição era muito dura. Então, por décadas, o PSDB forjou nova oposição aos antigos comunistas radicais para poder criar um cenário onde a maior oposição aos radicais possível é também tão radical quanto. Só não aparenta ser.

De que riem? Deve ser da nossa cara.
De que riem? Deve ser da nossa cara, achando que enganam quem?

FHC é cria de Gramsci. Cada declaração sua é pensada para funcionar como propaganda ou ativismo de agitação política. Seus discursos são embromados e sua atitude é a de quem só boceja, sem dormir e sem acordar. O que ele quer, conforme já dito, é manter o jogo como está. O jogo da Constituição de 1988 jogou o Brasil para o socialismo.

Um socialista no poder não precisa fazer nada. Basta seguir a constituição. Pode até mesmo escapar de punições enquanto tiver alguma maioria no congresso ou assembleias legislativas. Isso não ocorreu com Dilma porque ela deixou rastros das tramóias muito evidentes de descaso. Isso decorre apenas com tiranos que estão há muito tempo no poder: passam a acreditar que podem tudo. Dilma não foi diferente.

FHC defendeu Lula. Essa situação bizarra, em que dois ex-presidentes opositores se defendem, só faz sentido com um terceiro ponto. E esse terceiro ponto pode ser a Odebrecht. Que também une Temer e seus aliados envolvidos em delações.

Presidente Michel Temer, nossa carta para você não significa que concordamos com tudo o que você faz

Porque não concordamos mesmo com as atitudes incorretas envolvendo você. Desde a campanha de Dilma já sabemos de irregularidades com as gráficas. Além disso, sabemos que o PMDB está largamente envolvido com a Odebrecht. Existe muita coisa indefensável. Não podemos, simplesmente, aceitar que você comece a fazer coisas similares ao que fez Dilma, abrigando com foro privilegiado os que deveriam ser rapidamente punidos.

Leia a nossa carta para o Michel Temer

Porém esse editorial busca complementar o que lá dissemos. É claro que reformas para o país são importantes. Concordamos com esses aspectos do seu plano original. O que não concordamos é com o mais do mesmo. Com as cartadas da manga. Queremos ver algo original na política brasileira.

Movimentos Democráticos se reuniram com o presidente Michel Temer para apoiar as medidas certas. Mas esse editorial irá criticar as medidas erradas de Temer de antes e de agora.
Movimentos Democráticos se reuniram com o presidente Michel Temer para apoiar as medidas certas. Mas esse editorial irá criticar as medidas erradas de Temer de antes e de agora.

Sabemos, presidente Michel Temer, que a grande maioria dos maçons brasileiros, conservadores e de direita, jamais votou em Dilma — e, portanto, jamais votou em você. Mas havia alguma esperança de que o seu rompimento com o governo fosse uma tentativa de algo novo. Alguns já apontavam, no entanto, que o impeachment de Dilma seria uma grande cortina de fumaça. Uma estratégia das casas legislativas para tentar se desassociar do esquema criminoso de poder implantado pelo PT.

O esquema é simples de explicar: O PT comprava o legislativo, que lhe correspondia com uma ditadura perfeita. Com isso foi aparelhando o STF e outras instituições. Quando fraudes nas contas foram detectadas nas pedaladas, a Lava Jato já transcorria. Muita gente tinha medo. Por isso o impeachment passou a ser uma cartada de malandro para muita gente. Uma tentativa de desviar o foco.

Já o apoiamos algumas vezes em iniciativas que acreditamos corretas. Alguns exemplos podem ser vistos aqui, aqui ou aqui. Mas é óbvio que iremos criticá-lo abertamente por tudo de estranho, errado ou bizarro que vossa excelência faça. Não dá para aceitar corrupção de ninguém, principalmente de alguém que já foi membro da Maçonaria. É justamente os maçons políticos aqueles que mais iremos cobrar uma atitude maçônica. Um agir no esquadro.

A Lava Jato, porém, obstinada, seguiu no STF. Um ministro do supremo silencioso agia nas sombras. E nas sombras morreu. Agora um novo ministro, Fachin, parece ter percebido que o Brasil se avizinha mais do caos do que da ordem. E resolveu tentar retomar a ordem pedindo para que se investigue Renan, Sarney e Jucá. Que assim seja.

Presidente Michel Temer, porque o PMDB apoiou a cláusula da constituição que elimina a propriedade privada no Brasil?

Está difícil acreditar no nosso país sem propriedade privada. Michel Temer fez parte do grupo que escreveu a constituição de 1988. Que discorre, dentre outras coisas, sobre a possibilidade do governo expropriar qualquer propriedade a qualquer momento, por qualquer motivo.

Por que isso? Porque o PMDB foi abrigo da esquerda desde sempre. É possível ver isso com figuras como Roberto Requião. Ele é um óbvio petista no partido errado. Está no PMDB por ser um grande fisiológico. Mas puxa o PMDB para a esquerda cada vez mais.

Temer, se você é de direita, deveria defender a propriedade privada. No entanto ajudou a elaborar uma constituição que elimina a possibilidade das pessoas terem as suas propriedades, podendo violá-las a qualquer momento.

Queremos um presidente mais comprometido com o senso de ordem e progresso. Não teremos isso com ideias “progressistas” dos comunistas esquerdistas e dos que se fingem de direita.

Presidente Michel Temer, o país está um caos e alguns estados estão à beira da guerra civil

O estado de anomia, sem polícia e sem organização que está ocorrendo agora no Espírito Santo está levando a população a viver de forma similar à Venezuela. Com escassez de produtos, o caos e a desordem fizeram com que o estado tivesse uma intervenção militar.

É uma loucura que brasileiros queiram cometer crimes apenas por não haver polícia. Como se a simples existência da polícia fosse o único motivo para a lei funcionar. Sabemos que não é assim, e é triste que essa interpretação imoral exista no Brasil. Mas faz sentido: são anos de doutrinação esquerdista. São décadas de professores ensinando que roubar é revolucionário. O que mais poderia ocorrer?

Black blocs. É o que está ocorrendo no Rio de Janeiro agora. Num estado de total confusão, os partidos de esquerda radicais estão mandando os seus terroristas pra rua. Armados com mortadela de George Soros, rojões e máscaras, acreditam serem os revolucionários radicais que querem tomar o poder. Não sabem nem lavar as próprias calças, mas acreditam que sabem tudo. Até matarem o próximo cinegrafista.

Presidente Michel Temer: quando você atuará para eliminar a influência de ONGs lideradas por bilionários estrangeiros no Brasil? Quando poderá dizer abertamente quem são os criminosos que estão tentando crimes dos mais diversos em nosso país? Esperamos que logo possamos saber se você pode ser mesmo ser um líder que nos livre dessas influências externas. Estamos vendo o mesmo tipo de manifestação aqui e nos Estados Unidos. Não dá mais para ignorar essa realidade. É necessário intervir, cortar o dinheiro dessa gente e eliminá-los de nossa vida política.

 

 

Deixe uma resposta