As escolas já estavam construídas quando a droga se expandiu

Na ponta errada

Por causa das matanças selvagens em prisões, ouço e leio todos os dias teorias de como combater as facções do tráfico de drogas. Construir prisões se contrapõe a esvaziar prisões; punir ainda mais traficantes se choca com aliviar a pena de pequenos traficantes; liberar a droga versus vigiar mais a fronteira; deixar que se matem nas prisões ou deixar que nos matem nas ruas – e por aí vai uma série de palpites que convergem para a suposta sensatez do politicamente correto que se resume numa frase bonita: “construir escolas para não precisar construir prisões”.

Muito lindo mas, esquecemos que as escolas já estavam construídas quando a droga se expandiu. E começou justamente nas escolas. Também a frase embute uma falácia: de que a escola é para dar educação. Não é. A escola é para ensinar. Educação, formação, é na família. Estão esquecendo que a responsabilidade pela formação é do pai e da mãe. E se as famílias estão desagregadas, então é preciso reconstruir a família, para não depender da construção de escolas ou de presídios. É preciso mostrar ao pai e a mãe que são os responsáveis pela educação dos filhos, pela formação da cidadania nas novas gerações. A escola ensina matemática, linguagem, ciências e até civismo. Mas o caráter da criança que está pronta a recusar a oferta de droga, vem de casa.

Parece fácil, mas não é. Agora mesmo leio nos jornais o estardalhaço que se faz porque a ANVISA liberou um remédio à base da Cannabis Sativa, no Brasil conhecida como maconha, palavra inventada pelos escravos que recebiam cânhamo para aplacar o cansaço, segundo deduzo. E nos títulos dos jornais, a palavra maconha aparece como remédio. Falam em “uso recreativo da droga”. É mentira. A maconha e as outras drogas piores destroem os neurônios e, pior ainda, destroem a vontade, transformando seres livres em escravos. Chama-me a atenção o marketing que tem a maconha na mídia. Por isso, é preciso uma luta constante dos pais, mostrando que a droga só tem lado ruim. A propaganda da droga fala em sensações. Ora, a melhor maneira de desfrutar qualquer momento da vida é estando consciente.

Aí vem outra questão que devem estar esquecendo deliberadamente, por medo. Só se fala em combater a ponta final da droga, o tráfico. É o final, quando não tem mais jeito. Pois tudo isso que se combate se alimenta, é financiado, pelo que não se combate publicamente: o consumo, na ponta inicial. O usuário é quem sustenta tudo isso. Ora, se a droga não vender, não tiver mercado, não haverá tráfico, porque não haverá consumo. E as consequências da droga nos consumidores são piores que as consequências entre os traficantes das diferentes facções, nas prisões. Nas prisões, pouco mais de uma centena foram decapitados. Nas famílias, nas escolas e nas ruas brasileiras, milhões já perderam a cabeça para a droga.

One Reply to “As escolas já estavam construídas quando a droga se expandiu”

  1. Gustavo Meister says: Responder

    Olá, achei este artigo bem pertinente e com argumentos interessantes, porém acho bastante utópico querer cortar o consumo. Mesmo porque os pais cruzam os braços, acham que “não adianta”. Certo que famílias desagregadas, falta de afeto, etc. são uma causa primária. Mesmo os pais que cobram das autoridades não conseguem nada pela corrupção generalizada. Dirigentes influentes fecham os olhos, quando não são diretamente cumplices do tráfico. Manter traficantes presos é uma indústria, o cidadão paga por isso também. Só uma vontade política forte poderia acabar com o tráfico. Singapura conseguiú, mas aqui, os “direitos humanos” não deixarão passar esse método nunca. O que o povo precisa entender é que os direitos humanos de alguns sem alma devem parar onde começam os direitos dos outros. Poder dizer NÃO à dependencia é um direito humano. Mas, estragar a vida de jovens para sempre em ampla impunidade é direito humano ? a pensar. Mas com o sistema político atual, não vejo solução. Os Maçons teriam alguma proposta concreta ?

Deixe uma resposta