Invasão Jihadista, uma demanda “humanitária”?

demanda "humanitária"

Especulando sobre a Invasão Jihadista: não faz sentido para os políticos da esquerda brasileira facilitarem a inclusão ilimitada de refugiados islâmicos só para atender a uma demanda “humanitária”.

O risco político desse grupo pode se tornar incontrolável e não vale a pena. Qualquer outra minoria (LGBT, negros, feministas, índios, etc) a esquerda saberia controlar pois já fazem parte de sua estratégia de deslegitimar, desestabilizar e enfraquecer a sociedade e o governo para conquistar o poder. Mas esse grupo, e seu inseparável componente jihadista, a esquerda brasileira não saberia controlar.

Então qual seria a real razão da esquerda brasileira em facilitar a entrada deles no Brasil, sem limites e com honrarias até de cidadania?

Do lado brasileiro, sabemos que o socialismo precisa de financiamento para manter os seus contos de fadas. Do lado dos Califados sabemos que há milhões de fiéis do islã que vão precisar de moradia quando o petróleo não puder mais garantir a renda em seus países teocráticos. Há portanto necessidades financeiras de um lado e geopolíticas do outro que são tangíveis.

Por que os movimentos de feministas e LGBTT não atacam o conservadorismo islâmico? Estariam os políticos da esquerda brasileira envolvidos em um “preparo do terreno” em troca de financiamento de sobrevivência política? Estamos vendo uma invasão lenta, planejada e consistente? Qual nossa linha de defesa contra essa eventualidade?

O fato de não termos respostas coerentes para essas perguntas é o que gera a especulação. E quando não há rebate lógico para a especulação é porque a especulação é um fato.

Luiz Philippe de Orleans e Bragança

Empresário e Cientista Político

Presidente da Comissão de Política do Avança Brasil Maçons

One Reply to “Invasão Jihadista, uma demanda “humanitária”?”

  1. […] semana o Facebook censurou um post nosso sobre jihadismo. Mas você pode lê-lo de novo clicando no link ao lado. Felizmente hoje temos o nosso site que nos […]

Deixe uma resposta