O Brasil não sabe ler nem escrever

O Brasil não saber ler, nem escrever

EDITORIAL

Nossos textos editoriais são longos, complexos, cheio de ideias, informações, vídeos e imagens. Por que perdemos tanto tempo se o brasileiro não sabe nem ler, nem escrever direito?

Porque alguns sabem. E os que sabem irão contar as histórias que nós escrevemos aqui. E os que ouvirem contarão ao próximo. E assim por diante.

Perdemos tempo com textos longos porque ideias complexas exigem um trabalho maior. Inculcar nas pessoas o conceito do que é liberdade demora muito.

A verdade é que ninguém entende o significado da palavra liberdade num país livre até perdê-la.

Uma forma de perder a liberdade é caindo na ignorância. Com a ignorância, é fácil abandonar a crença numa religião para adotar a crença num partido e em seu eterno candidato populista. É fácil cometer crimes diante de um povo ignorante que nem entende o que é corrupção direito. Por isso perdemos nosso tempo. Para explicar o que é corrupção e para que você ajude aqueles brasileiros que não sabem ler, nem escrever.

O brasileiro eterno aprendiz não avança para lugar nenhum e não sabe nem ler, nem escrever, nem fazer conta

Eu fico com a pureza das respostas das crianças: é a vida! É bonita e é bonita! Viver e não ter a vergonha de ser feliz. Cantar a beleza de ser um eterno aprendiz. Eu sei que a vida devia ser bem melhor e será, mas isso não impede que eu repita: é bonita, é bonita e é bonita!” – Gonzaguinha

Quer saber se alguém que você conhece é analfabeto funcional? Cante a música acima e ao final pergunte: “Quem é bonita nessa música, você sabe?”

Se você está lendo esse editorial até aqui, você sabe que a vida é bonita. Porém é provável que mais da metade da população não consiga responder e precise reler ou ouvir o texto várias vezes para conseguir responder essa pergunta.

Isso é uma música popular escrita por Gonzaguinha, um sobrinho dos maçons um pouco desgarrado. Ligado ao movimento comunista, Gonzaguinha era um compositor genial e escreveu algumas músicas que foram usadas pelos comunistas para fazer proselitismo ideológico. Essa música acima não é ideológica. Mas muita gente a considera um verdadeiro hino brasileiro. Uma música muito conhecida, sem dúvida.

Mas ainda assim o brasileiro é capaz de cantá-la, mas não é capaz de compreender essa letra simples. O brasileiro incapaz de rapidamente dizer que é a vida que é bonita é o que sabe que a vida no Brasil carece de beleza.

Precisamos ajudar a embelezar o nosso país. E não vamos fazer isso com a pureza das respostas da crianças, com o apelo do eterno aprendiz. Ninguém pode ser aprendiz para sempre. É preciso superar o grau de aprendiz, mas não perder jamais a capacidade de aprender. As pessoas confundem o eterno aprender com o eterno aprendiz. A paralisia e a infantilização é o que a esquerda e os tiranos querem para que o povo seja ignorante e controlado.

Se você consegue ler esse texto, você não será dominado pela tirania.

Os intelectuais de esquerda e a determinação

Você que fica aí sentado no sofá, sabia que os intelectuais de esquerda estão nesse momento lendo e relendo vários de seus teóricos para tentar aplicar um golpe intelectual no mundo?

Tudo começou com essa história de “notícias falsas”. Agora por exemplo, estão espalhando um boato de que notícias falsas levaram à derrota de Hillary. Bobagem. Notícias da internet, como as que saíram a partir do Wikileaks, são totalmente verdadeiras. Mas eles insistem em dizer que há notícias falsas. Sem dúvida.

O Brasil não saber ler, nem escrever
O Brasil não saber ler, nem escrever. Tiririca também não. Foi eleito como uma forma para eleger deputados mensaleiros pelo quociente eleitoral. Uma sacada esperta que os políticos fazem na nossa cara. Valdemar Costa Neto apostou recentemente em Popó para repetir Tiririca. Pode isso? Voto distrital já! Não há liberdade sem representatividade! Pior do que está só fica…

Em grupos de WhatsApp o que mais vemos é o insistente compartilhamento de boatos. Chega a ser cansativo esclarecer o que é e o que não é boato a todo momento. Muita gente nem lê mais nada. Só lê as manchetes e não se preocupa em buscar a verdade.

O que o Avança Brasil deseja ajudar é a mostrar as pessoas como podem se libertar da escravidão da mentira. Não espalhe notícias que você não sabe. Mas não se preocupe se algo que você espalhar for classificado de “notícias falsas” por ONGs internacionais comandadas pelo George Soros. Se esse for o caso, essa notícia deve ser é muito verdadeira.

Nosso sistema eleitoral também nos escraviza. Políticos trabalham para elegerem a si mesmos usando cabos eleitorais, como o Tiririca. Ao menos Tiririca esteve do lado certo da história e votou a favor do impeachment. Mas pouco contribuiu na tribuna. É uma pena.

O fato é que a esquerda está determinada. E você está sentado aí no sofá. O que precisamos saber para nos tornar livres dessas estratégias de dominação?

É necessário mais leitura para combater as trevas da desinformação

A melhor forma de deixar de ser um eterno aprendiz é começar a ler por conta própria livros que podem mudar a sua concepção do mundo. Para isso é preciso começar ontem, pois amanhã você poderá ser manipulado sem perceber.

É preciso ler os livros dos grandes propagandistas para entender os métodos que a esquerda usa. É preciso ler Grasmci, Chomsky e até mesmo Marx para entender como a mente dessas pessoas funciona. É necessário entender que o politicamente correto, que emburrece os discursos, é fundamentado na inveja. A partir daí você pode começar a detectar toda a estratégia de manipulação da mídia e da imprensa esquerdista que estão tentando implantar no Brasil desde o fim do regime militar.

Trata-se de uma estratégia perniciosa. Consiste em censurar autores que criticam os ideais do movimento comunista, e enaltecer os materialistas históricos nos currículos das escolas. A história é contada como uma luta de classes entre opressores e oprimidos. A geografia é contada com marxismo, de forma que o relevo e a vegetação dos países não importa mais. O que importa é saber quais são as formas de governo e que países são comunistas ou socialistas o suficiente para se admirar.

Esse conteúdo equivocado vem agregando ainda a ideologia de gênero. Professores estão usando isso para fazer verdadeiros experimentos sociais, estimulando homens a se tornarem gays e mulheres a se tornarem lésbicas, tratando tudo como absolutamente natural. Os alunos de humanas das Universidades Federais estão todos saindo da escola embasbacados com a quantidade de teorias inúteis e discurso politicamente correto cheio de ódio e inveja. São profissionais absolutamente despreparados para o mercado de trabalho, preparados apenas para a depressão, a ansiedade e a se tornarem clientes de psiquiatras ou de narcotraficantes de organização criminosas originadas do movimento comunista.

De qualquer forma, o caminho para evitar tudo isso é ler mais, ler muito e ler sempre. Não há alternativa para criar um escudo para a imoralidade esquerdista, senão aprender do que eles são capazes. E eles são capazes de absolutamente tudo para enfraquecer mentes, ludibriar pessoas, criar o caos e gente com problemas psicológicos, destruir a economia para dominar tudo e nunca mais sair do poder.

É um plano terrível que precisa ser interrompido. Ainda não foi. Mas Donald Trump está destruindo a esquerda. A ponto da própria esquerda fazer a sua autocrítica.

Interromper o plano do comunismo passa por melhorar a educação

E a educação precisa formar gente que saiba ler e escrever. De preferência em mais de um idioma. O português é lindo, mas tem muito conteúdo no mundo que só tem em inglês ou espanhol. O Brasil precisa ser mais poliglota, pois essa é a melhor maneira de inserirmo-nos no mercado local e global de uma vez.

Leia 60 livros por ano em 2017
Nossos votos: leia 60 livros por ano em 2017.

Nosso idioma possui muitos fonemas que permitem ao brasileiro aprender outros idiomas com mais facilidade. Quem só fala inglês, por exemplo, não possui fonemas como os das palavras com “til”, como “pão”. O fato de nós conseguirmos dizer isso já nos torna especiais. O que falta então para aprendermos línguas e ler mais?

Estímulo. Educação básica de qualidade. Entendimento de que o sistema educacional público brasileiro é censurado e não dá acesso livre às informações. O caminho é buscar na internet, em livros importados, em traduções específicas. Não tem jeito. É preciso saber ler para buscar mais e investigar a verdade.

Se o brasileiro passar a ler mais, em uma década e meia podemos dizer adeus às estratégias gramscistas dos esquerdistas nacionais. FHC teria atuado em vão para implantar o comunismo no Brasil. Mais da metade da nação estaria vacinada dessas estratégias psicológicas de dominação usando a ignorância do povo.

Chega de nacional bolchevismo: a doutrina maluca de Dugin

Dugin, o ideólogo eurasiano, tinha uma ideia maligna: pegar o que há de bom no comunismo, nazismo e fascismo, o que há de bom na democracia, o que há de bom na religião e usar. O que há de ruim no comunismo e fascismo, o que há de ruim na democracia, deveria ser jogado fora.

Na prática consiste em criar um tirano que parece democrata. Em criar um comunista que parece libertário. Em criar um fascista que aceita a divisão do poder. Enquanto na verdade cria artificialmente três poderes amigos, com uma oposição controlada e forte apoio da população que vive sob uma imprensa censurada.

Temos aí o nacional bolchevismo. E é isso o que Lula queria para o Brasil. O plano dele era implantar esse nacional bolchevismo duguinista no Brasil, tornando o nosso país uma zona ainda maior do que ele é para, no final, apresentar a solução popular, ou ainda, populista.

Essa doutrina não se aplica ao Brasil. Inspirado que sempre fomos no federalismo americano, precisamos retomar aquela antiga ideia ainda em formação. O Brasil precisa resgatar, sim, o que há de melhor em seu passado para colocar em prática.

Brasília foi um plano comunista desde a sua arquitetura. Um plano que precisamos começar a abandonar, antes que Brasília se torne de fato uma Moscou brasileira.

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta