A verdade sobre o #PLS280NAO

A verdade sobre o #PLS280NAO que a mídia não quer falar.

EDITORIAL

O #PLS280NAO foi uma iniciativa que nasceu no Twitter, virou hashtag e subiu para os tópicos mais comentados no Brasil durante o dia.

Promovido por Deltan Dallagnol, por diversos movimentos e pelo povo brasileiro, o assunto dominou a internet por várias horas. Simultaneamente, os telefones dos senadores não paravam de tocar. Mensagens no WhatsApp, telefonemas, cidadãos furiosos com o fato de senadores partirem para uma autocrática votação pela impunidade.

Os recados foram claros:

A pressão pelo #PLS280NAO está mudando a história do Brasil

Renan Calheiros percebeu que não havia como ir contra o povo. A autocracia tem um limite: quando a democracia se manifesta pela pressão do povo.

Ele não quer cair no ostracismo. Muito embora é o que lhe acontecerá, ainda que não deseje.

Está difícil de acompanhar a nossa política quando o que menos se vê é verdade. E o que é pior: a nossa mídia é um escárnio. Não há uma única notícia na imprensa de hoje que fale que Renan desistiu de votar o PLS 280 por causa do povo pressionando. As mentiras dos jornais e mídia tradicionais está com os dias contados. Novos meios mais comprometidos com a verdade surgirão.

A verdade sobre o #PLS280NAO não sairá na mídia, mas deixará sua pegada digital na internet

Números são mais importantes do que palavras. E não há como negar um fato como esse:

pls280nao
A hashtag #PLS280NAO chegou a um número estimado de mais de 10 mil tweets por hora no horário de pico

Por que a mídia brasileira continua não se atentando a esses fatos? Por que não publica matérias falando da pressão do povo, da força da democracia eletrônica acontecendo de verdade no Brasil?

Porque isso não interessa à esquerda que controla as redações. Para eles, isso é uma afronta ao esquema de poder que eles imaginavam que tinham na mão. Agora sabem que controlar a internet significaria hoje, no Brasil, provocar uma revolução. Não há como tentar implantar um modelo chinês aqui.

Nos Estados Unidos, o problema é o mesmo. A necessidade de ser o primeiro tem produzido notícias falsas na mídia. Denzel Washington deixou isso claro essa semana numa entrevista e colocou um ponto muito real: está difícil mais saber a verdade lendo a mídia tradicional.

É possível, afinal, acreditar que Lula teria uma quantidade de votos tão alta com a rejeição enorme que ele tem? Para nós é impossível de acreditar nessa e outras notícias falsas que a grande mídia têm plantado recentemente. Como a notícia de que havia 15 mil pessoas na Av. Paulista no último dia 4/12.

whatsapp-image-2016-12-04-at-19-11-54
Mais de 200 mil pessoas foram para a Paulista dizer que não reconhecem autoridade de bandido. 15 mil pessoas? Só se for no Datafalha

O que você não vê na mídia, você pode confiar no Avança Brasil

Se você mesmo nem sabia da pressão virtual na internet, no Twitter, no Facebook e no WhatsApp aos políticos, talvez você esteja mal informado. Ou ainda, talvez esteja sendo enganado pela mídia tradicional, que tratou o assunto como algo do tipo: “O Renan ouviu seus colegas e desistiu de colocar o projeto em votação”.

O Avança Brasil quer que você saiba a verdade. E a verdade é uma só: houve imensa pressão virtual, nos telefones, nas redes sociais e por toda parte. Político não tem medo só do povo na rua. Político tem medo do povo no telefone e no computador deixando pegadas digitais que irão servir de munição contra eles na hora de buscar voto.

Os mal educados, que respondem mal seus eleitores, esses já cairão no ostracismo naturalmente. Os que respondem bem irão se dar bem no futuro. Talvez até sejam reeleitos. Os que correspondem às expectativas da população, estes acabarão sendo premiados com eleições mais importantes. Assim deve ser o jogo democrático moderno.

Não há mais espaço para coronéis na era da comunicação digital. Não há mais espaço para censura e compra de mídia como forma de calar a imprensa. Não há mais tempo para as pessoas lerem mentiras ou notícias falsas na internet como querem Folha, Veja, UOL e tantos outros. O povo cansou dessas redações esquerdistas radicais, que só enxergam um mundo utópico e cheio de ódio de classes.

Chega de ódio, de notícias falsas e da busca do primeiro clique. O povo passará a ler e acompanhar mais os portais que publicam a verdade. Esse será sempre o caso do Avança Brasil. Por isso hoje já existe um público cativo por nossos textos de opinião. Porque ninguém aguenta mais as mentiras e as meias verdades da grande mídia.

A #PLS280NAO é um exemplo da censura da grande mídia

A censura já existe hoje. Ela é politicamente correta, orientada à esquerda e segue cegamente o globalismo divulgado pela ONU. A nossa imprensa é globalista, comunista e utópica. Discorre sobre um Brasil distópico. Publica matérias pouco claras sobre a nossa violência e sobre as reais causas de tudo o que acontece.

Assim como a mídia censura o fato de que facções criminosas, como o Comando Vermelho, nasceu da ligação entre comunistas e bandidos, também esconde que o PCC se tornou outro braço do comunismo esquerdista. Há tanta coisa escondida e censurada hoje que ninguém mais se atreve a falar a verdade.

Por que não dizer que o narcotráfico é uma invenção dos comunistas com uma arma para entorpecer a América? Por que não falar a realidade sobre a corrupção brasileira ser uma arma dos políticos para permanecer numa autocracia de poder. Por que não dizer com todas as letras que os políticos abandonaram o PLS 280 por causa da pressão do #PLS280NAO?

Porque a mídia continuará sendo pega de surpresa. Em 2018, nada do que a mídia quer que aconteça vai acontecer. A surpresa será grande. Um novo presidente do Brasil em 2019 não será jamais o que essa grande mídia quer. A reviravolta irá dar lugar a uma era em que a mídia buscará não mais ser a primeira a contar mentiras, mas sim, em ser a última a encontrar a melhor forma de contar verdades que antes eram escondidas.

Jornais passarão a ser vendidos não por identificação ideológica, mas sim pela qualidade na busca da verdade.

Esse mundo está mais perto do que essa mídia toda imagina.

Que assim seja.

Deixe uma resposta