DEUS LO VULT

Deus Lo Vult

EDITORIAL

Deus o quer, DEUS LO VULT em latim, foi o grito do papa Urbano II na declaração da Primeira Cruzada no Conselho de Clermont em 1095, quando o Império Bizantino pediu ajuda na defesa contra os Turcos Otomanos. Na época era o império muçulmano sunita que invadia, então, a cidade de Anatólia.

As Cruzadas foram batalhas defensivas que visaram, tão somente, proteger a Europa de uma futura invasão otomana.

O brasileiro agora vive um momento parecido. O povo está sendo conclamado a defender o Brasil nas ruas, destravando a justiça e permitindo rápida punição aos envolvidos com propinas.

Pois agora sabemos que quase toda a classe política, muitos atualmente eleitos com cargo, está totalmente envolvida com corrupção. O resgate da fé e da inteligência no Brasil está na ordem do dia.

Assusta saber que os envolvidos todos têm foro privilegiado, o que poderia travar totalmente o Brasil ao não punir os envolvidos. A impunidade do foro privilegiado ficará ainda mais clara com a quantidade de envolvidos nesse caso.

A grande lista da Odebrecht, com todos os seus codinomes, nos leva a crer que não se salva nenhum dos políticos lá envolvidos.

Nós queremos que todos, sem exceção, sejam investigados na devida forma. E a única forma de fazer isso será com o povo na rua, pressionando para que haja a devida punição a todos eles.

Até porque, e isso, a essa altura, é óbvio para todos os brasileiros, esse era apenas um dos esquemas agora conhecidos. É fácil imaginar e temer que existam outros.

Será necessário uma verdadeira cruzada contra a corrupção no Brasil. E é isso o que o povo quer. Como já dizia o velho ditado tão bem conhecido em nosso país.

VOX POPULI, VOX DEI

A frase acima ainda era da época em que os romanos eram politeístas. “A voz do povo é a voz dos deuses”, diziam então. É uma forma de transformar o senso comum em jurisprudência.

Esse método fez com que Jesus fosse escolhido para a cruz em vez de Barrabás, um líder mais popular para o público de então.

Perdeu Jesus, então ainda não tão conhecido pelo povo, que viria a se tornar conhecido em breve pelo que lhe passaria. Tudo porque o povo escolheu Barrabás.

Tudo porque o povo escolheu errado. E isso pode acontecer com qualquer um de nós, a qualquer momento.

Escolher errado é, portanto, uma possibilidade. O brasileiro, cristão, poderia saber disso caso conhecesse bem a história de Cristo. Porém, desconhecedor que é da palavra, acabará agora aprendendo, de uma vez por todas, que não se pode ter fé na política. Nem em político.

Fé só em Deus, políticos não podem ter nem a nossa crença

A turbulência que virá por aí com a grande delação da Odebrecht está mostrando que é necessário, para o brasileiro, separar a fé da crença.

O que diferencia fé de crença é que a fé é uma crença absoluta. Pode-se ter crença num político. Mas só é possível ter fé em Deus.

A crença é algo que se acredita transitoriamente. Ela pode mudar. A fé, no entanto, transcende o tempo e o espaço. É absoluta e jamais transitória. Nada pode mudá-la.

Fé nos homens significaria acreditar de forma absoluta em algo que pode levar ao engano, à ilusão, e à perfídia. Por essa razão é que existem algumas palavras e conceitos que jamais devem ser esquecidos.

São termos como auditoria, transparência, compliance, investigação, corregedoria, polícia, ministério público, poder judiciário e justiça. Você certamente sabe o que muitos desses termos significam.

A existência dessas ideias serve para lembrar-nos de que o trabalho humano está sujeito ao equívoco. Ignorar esse fato seria ter fé nos homens da classe política.

Desconfie dos políticos e das pessoas, confie somente em Deus

Acreditar totalmente na classe política é um erro que jamais se repetirá na história de nosso país. Todo brasileiro, a partir de agora, acreditará desconfiando. Como tem de ser.

E a melhor forma de garantir essa desconfiança é usando as ideias citadas acima. Apenas elas podem garantir que a política transcorra sem crimes. Do contrário, os crimes ocorrerão sem que saibamos quem os perpetra. E a garantia da impunidade será, por definição, a função do legislativo. Como já está sendo, aliás.

A isso tudo chamamos de tirania autocrática. Algo que jamais desejamos para o Brasil, mas que vinha ocorrendo. Agora que sabemos um pouco dessa verdade, não há como voltar atrás. Queremos mais e mais verdades, a ponto de deixarmos de lubridiarmo-nos com falsas promessas.

Deus nos protegerá com a verdade. A verdade nos libertará

Conhecer os documentos da delação da Odebrecht mostra o quanto não sabemos ainda das verdades. São documentos, transações financeiras, apelidos de políticos e muitos outros detalhes sórdidos que, como sói acontecer, só poderiam representar toda a verdade.

A verdade, num primeiro momento, parece feia e terrível. Porém, com o tempo, vamos notando o quanto ela é bela e o quanto pode ser transformadora. Não há nada melhor do que saber quem é quem na lista de nomes todos das pessoas. Ter esse poder permite que se saiba absolutamente tudo o que é falado nos e-mails e nas outras mensagens que a Lava Jato vem investigando.

A Lava Jato, é, portanto, nesse momento, o Wikileaks brasileiro. Ao divulgar informações e dados dessa forma, está permitindo que a justiça possa acelerar seus processos, facilitando a formação de uma nova opinião pública que possa, por sua vez, ir para a rua demandar, exigir e requerer o fim dessa grande sacanagem. Dessa gigantesca defenestração.

A verdade é libertadora

“Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”, disse Jesus. É uma realidade inegável. O poder de conhecer a verdade quebra qualquer ilusão. O choque de realidade é inevitável. Todas as transformações decorrentes são no sentido de elevar a nossa alma a pensamentos superiores.

Deus Lo Vult
Deus Lo Vult

A verdade é libertadora porque é dolorosa. Conhecê-la e aceitá-la, por vezes, exige um grande processo de transformação dos indivíduos. No geral, apenas os livres conseguem compreender o valor da verdade.

Muito embora o fascínio do brasileiro com a Lava Jato e do americano com o Wikileaks é exatamente esse: a sensação de liberdade que possuímos quando nos livramos das amarras das ilusões que alguns insistem em derramar sobre nossos corações e mentes.

A verdade, quando podemos dizê-la, é libertadora. Por isso os editoriais do Avança Brasil são preparados com absoluta alegria: sempre há alegria quando se fala a verdade. Trata-se de uma virtude poder compartilhar com nossos leitores as nossas opiniões. Estamos assistindo a tudo o que ocorre com uma visão de enxadrista. E o jogo está claro: o povo tem condições de continuar ganhando esse jogo.

Basta continuar indo para a rua falando a verdade. Juntos ganharemos um país melhor.

One Reply to “DEUS LO VULT”

  1. Adomir Lucena says: Responder

    É uma pouca vergonha para a nossa justiça a tal de DELAÇÃO PREMIADA, é só mais uma maneira de deixar ladrões do povo impunes.

Deixe uma resposta