Se ergue da justiça a clava forte

Se ergues da justiça a clava forte, verás que um filho teu não foge à luta, nem teme, quem te adora, a própria morte, terra adorada!

EDITORIAL

A justiça, na figura do juiz Sérgio Moro, ergueu a sua clava forte contra a tirania criada pelos oligarcas autocratas atualmente no governo.

– O homem é um animal político dotado de discernimento lógico.

Já dizia Aristóteles. Desde então tornou-se impossível dizer que não gosta de política. Porque até mesmo manifestar o seu desgosto por política é um ato político. De maneira que tudo o que Sérgio Moro faz tem motivos políticos, sim. Mas não os do tipo que os políticos temem que lhes façam.

30533486584_3cec175606_zQuando Sérgio Moro interpelou o Senado esta semana, fez muito bem. Manifestou a vontade do povo de ver realizada e efetivada a justiça.

Sendo Sérgio Moro parte da política, você também é. Por isso que você deve ir para as ruas em todas as cidades do Brasil no dia 4/12. Saia de verde e amarelo.

Vamos fazer um minuto de silêncio em homenagem aos mortos no terrível acidente, bem como aos mais de 60 mil homicídios por ano que ocorrem em nosso país.

Some-se a isso inúmeros mortos devido à corrupção que leva pessoas a morrerem de fome, hospitais a faltar remédio e que mata as pessoas pelo crime, pela violência e pelo desgosto.

A clava forte das 10 medidas

O fato dos deputados terem subvertido o projeto das medidas mostra a força que o projeto tinha. As desculpas de Gilmar Mendes, que gagueja ao se explicar, mostram claramente de que lado deveríamos estar.

A existência de juízes somente do espectro da esquerda no Supremo Tribunal Federal é um processo que foi alimentado por Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma. Hoje temos os 3 poderes totalmente aparelhados. Não há mais independência entre poderes. A caminhar dessa maneira, o povo brasileiro não terá mais a quem recorrer senão à desobediência civil.

A clava forte da Lava Jato

O caminho natural para evitar e rebater essas “bolas curvas” atiradas pela classe política na justiça é por meio de provas tão consolidadas, claras e inevitáveis, a ponto da justiça em si ser inevitável.

Nesse sentido, a Lava Jato, que é altamente tecnológica e está mais bem preparada para esse tipo de investigação no século 21, tem um trunfo na mão: a delação da Odebrecht.

Porque palavras podem conter mentiras. Mas se são acompanhadas de dados, provas, evidências, auditoria do dinheiro e mais uma série de medidas, qualquer tentativa de alegar abuso de autoridade vai por água abaixo.

Pois com provas ficará claro que as autoridades é que estão abusando da paciência do povo.

A clava forte do povo na rua

Não há clava mais forte da justiça do que o povo na rua. Povo na rua é capaz de remover regimes do poder com agilidade. Povo na rua pressionou pelo impeachment e pode pressionar pelas 10 medidas ou pelo que quiser.

Pois povo na rua representa político com problemas. E políticos detestam problemas que não conseguem resolver com meia dúzia de favores. É impossível dever favores a milhões de pessoas.

À medida em que esse jogo fica descarado, mais e mais gente quer gastar tempo, dinheiro e energia em manifestar seus pensamentos. Antes escondidos sob Lula e Dilma, o pensamento dos conservadores hoje consegue ganhar a luz do dia. O povo na rua significa a oportunidade de ouvir e falar a verdade.

Estaremos, em todo o país, dispostos a defender a Lava Jato, as 10 medidas e uma classe política limpa. Nem que para isso seja necessário pedirmos novas eleições o quanto antes.

A clava forte da justiça fará com que um brasileiro jamais fuja da luta

A luta que temos, no atual momento, é do povo contra a sua classe política. O povo que apoia alguns políticos nada mais é do que um povo amestrado, ensinado, desde a infância, a curtir ideologia marxista no cativeiro da sala de aula.

O povo livre, que já despertou para a realidade, sabe que ainda há tiranos, além dos comunistas representados por Dilma, ocupando suas cadeiras no poder. Esses tiranos não são necessariamente comunistas. Mas não deixam de serem tiranos, que abusam de sua autoridade e da nossa paciência.

O brasileiro, porém, não fugirá à luta. Poderá começar a desobedecer as ordens desse tipo de autoridade. Deixar de reconhecer a legitimidade dessas pessoas. Por exemplo, para nós, não existe mais Senador Renan Calheiros. É apenas Renan Calheiros e acabou. Ele não merece sequer que o povo o trate como tal. Pois não há legitimidade alguma no cargo dessa pessoa.

A desobediência civil é um remédio para as dores dos que anseiam pelo fim desse processo iniciado pela Lava Jato. Ela revelou dolorosas verdades que não querem cicatrizar. E não vão.

Porque sabemos que as pérolas, dentro das ostras, são cicatrizes quando entram grãos de areia por dentro da casca grossa que protege esses animais marinhos. E sairão pérolas deste país após todas essas cicatrizes. Para isso, precisaremos continuar lutando. O resultado será, ao final, enriquecermos a nós mesmos e ao nosso país, saindo da miséria e avançando o Brasil como sempre quisemos.

Chega de autocracia! Vamos para as ruas no dia 4/12/2016!

Deixe uma resposta