Congresso Nacional confiável só em 2019

Congresso Nacional confiável no Brasil só em 2019, quando Renan Calheiros e outros não terão vez.

EDITORIAL

Congresso Nacional confiável só em 2019. Não há a menor chance do povo brasileiro ter fé nesse congresso atual. Salvo algumas poucas exceções, o que temos é sempre mais do mesmo: uma classe burocrática que quer se manter no poder custe o que custar.

Um Congresso que tem deputados destruindo um projeto de lei assinado por mais de 2,4 milhões de pessoas, como as 10 medidas, é, na verdade, um conjunto de burocratas que não representam o povo.

Os que representam o povo fazem o certo. Como é o caso do Domingos Sávio nesse vídeo.

Não queremos viver em outro país, queremos viver num novo Brasil

Na opinião de alguns cientistas políticos, como Manuel Castells, o congresso brasileiro deveria ser dissolvido. Uma assembleia constituinte deveria ser colocada em seu lugar.

Um projeto federalista para o Brasil deveria ser retomado. Reduzindo o poder central de Brasília na vida das pessoas, os cidadãos teriam mais oportunidades de buscar a felicidade, em vez de buscá-la na escravização da burocracia do estado.

Não há a menor chance disso acontecer em 2017. Apenas em 2019 teremos a chance de construir um novo congresso nacional um pouco mais confiável. Talvez um capaz de criar uma constituinte que redefina o país.

É preciso reduzir a burocracia, simplificar a legislação e aumentar as liberdades dos estados da federação. É preciso uma constituição simples para evitar distorções, e deixar problemas mais simples para as legislações de cada estado, dando-lhes autonomia para decidirem.

Apenas dessa maneira a riqueza local de cada estado pode ser revertida para o desenvolvimento completo e melhoria integral da vida das pessoas.

Congresso Nacional confiável e as 10 medidas

Houvesse confiança nesse congresso nacional, eles aprovariam as 10 medidas tais quais foram assinadas pelo povo, sem alterações. Como não fazem isso, o povo está corretamente desconfiado desse tipo de canalhice.

Na Câmara as coisas seguiram razoavelmente bem, mas sabemos que no Senado ainda há riscos de subversão completa do projeto.

Os 2,4 milhões de pessoas que assinaram pelas 10 medidas não fizeram por 10313233 medidas. Fizeram pelas 10.

Os deputados desidratando o projeto de lei precisam temer por seu futuro na política. Por mais que queiram defender o “projeto possível”, há riscos nessas alterações que precisarão ser mais bem analisadas no longo prazo.

De qualquer maneira, ir contra algo que o povo pediu é uma manifestação de burrice inacreditável para políticos que dependem de votos. Ainda que sejam de poucos votos.

Ninguém esquece fácil que assinou por 10 medidas. Ninguém lembrará desses corruptos burocratas que teimam em destruir a Lava Jato com seus projetos de lei mirabolantes.

A última grande sacanagem foi criar vários projetos simultâneos, cada um para destruir um pedaço da Lava Jato.

Um Congresso Nacional confiável proibiria invasões de escolas

É desonesto que os políticos assistam a absurdos, como o dessa ocupação que está ocorrendo na Universidade Federal do Piauí, e não façam nada.

É evidente que há uma classe de burocratas que ganha com esses esquemas. Porém, os responsáveis são claros: UNE, UJS, PCdoB, PT e os braço sindical dos professores da CUT. Por que não são punidos?

Continuaremos questionando. Enquanto isso, vamos ficar atento ao que está sendo feito nessas invasões. É preciso legislar para punir essas práticas feitas por uma minoria radical de extrema-esquerda. O Brasil não pode viver eternamente sob a influência dos comunazistas nacionais.

Um Congresso Nacional confiável não recorreria a golpes na calada da noite

Uma manobra suja usando o regimento para que o povo não saiba quem votou, e como, nas 10 medidas, está sendo criada.

Para isso pretendiam pedir votação simbólica no meio da madrugada. Ao fazer isso, utilizariam do interstício de uma hora para nova votação nominal em que o presidente poderia dizer “Aprovado” e os deputados poderiam sair contentes sem confirmarem o voto eletronicamente.

Isso é um abuso da nossa paciência. Por essas e outras que os movimentos podem voltar às ruas. Não se faz política na calada da madrugada. Isso é uma grande sacanagem típica de países comunistas.

O povo brasileiro precisa despertar para a realidade que burocratas tiranos podem construir num país.

Pelo menos Lula admitiu que é dono do triplex. Os seus advogados tresloucados devem ter ficado maluco com as provas que Lula dá para o Brasil de seu envolvimento com corrupção.

Congresso Nacional e as medidas do mal

Projetos de lei bizarros como o do abuso de autoridade, o da anistia do caixa dois, a subversão das 10 medidas e outros absurdos acabarão levando milhões e milhões de volta às ruas.

Quando o povo assina pedindo medidas pensando no bem do país, não podem os deputados quererem defender a si mesmos criando medidas do mal.

O povo já percebeu o jogo deles. Eles ainda não perceberam que o povo não deve mais votar nesses que aí estão formando o atual estamento burocrático.

Eles precisam sair para que uma nova geração de políticos possa pensar em novas políticas de liberdade, igualdade e fraternidade.

Não é possível viver num país onde burocratas se encastelam com seus milhões que jogam pela janela e no mar para fugir da justiça.

Quem faz isso, aliás, o faz por saber que ainda terá muito dinheiro depois em alguma conta secreta no meio do nada. Algum lugar do mundo para se viajar e recuperar parte da grana. Alguns pensarão até que ter ido para a cadeia valeu a pena para curtir isso no futuro. Esperamos que se arrependam e doem tudo o que roubaram para o bem das pessoas.

A classe política do Brasil precisa superar esse vício em cometer maldades.

A delação da Odebrecht começará a limpeza no Congresso Nacional

A assinatura da delação de mais de 78 executivos da Odebrecht, de Marcelo e Emílio Odebrecht, irá inaugurar um processo de limpeza na política.

Será a exposição da verdade a conta-gotas. Terá de ser assim porque muita verdade causa pânico e anestesia a todos. É preciso que essas verdades das delações saiam aos poucos, facilitando aos brasileiros a compreensão de todos os envolvidos.

Com isso claro na memória, será fácil chegar às urnas em 2018 e fazer bonito. Será fácil votar apenas nos bons, nos decentes, nos que nós acreditamos que valham a pena. Será útil à vida da nação saber a verdade. Será bom conseguir escolher pessoas novas. Mesmo que cometam erros, serão novos erros. Jamais os erros antigos que estavam destruindo o país.

Porém essa limpeza no Congresso Nacional não deve atingir a todos os envolvidos a tempo das eleições de 2018. Por isso só será possível dizer que teremos um Congresso Nacional mais confiável só em 2019. A memória dos brasileiros já registrou o que esses que estão aí faz tempo fizeram. Não poderemos reeleger quase ninguém dos que estão aí.

Preparem-se para procurar por caras novas na política e por novos partidos que estão surgindo. É daí que virá a grande mudança.

O empreendedorismo partidário: porque ele é necessário mais do que nunca

Pense no conceito de startups, em que empresas inovam a partir de novas ideias. Agora pense nisso aplicado a partidos. É preciso que isso ocorra no Brasil.

Nunca antes tivemos tantos partidos sem ideologia clara repletos de gente com ideias radicais e obscuras. É o caso do PMDB, que abriga ex-terroristas e comunistas radicais junto de conservadores. É o caso do PSDB, que é a mesma coisa.

É o caso do PSOL, que fala em “socialismo e liberdade”, mas acredita em governos comunistas de extrema esquerda como os dos Castro e do Maduro.

Congresso Nacional confiável no Brasil só em 2019, quando Renan Calheiros e outros não terão vez.
Congresso Nacional confiável no Brasil só em 2019, quando Renan Calheiros e outros não terão vez. Afinal… qual é a ideologia de Renan Calheiros?

É portanto necessário que surjam novos partidos com ideias claras, inovadoras, conservadoras e que permitam menos impostos e mais crescimento econômico. É preciso criar um Brasil conservador, federalista, com autonomia para os estados e felicidade para os cidadãos.

Partidos como o Novo já começaram a mudar um pouco o jogo. Outros ainda virão nesse processo para transformar a nação. Novas ideias e novas agremiações precisam mudar o país. Chega de mais dos mesmos. Precisamos jogar mais água limpa no grande balde de água suja que é a política brasileira.

Deixe uma resposta