Bonzinhos de esquerda: não acredite nessa ilusão

O socialista brasileiro de esquerda

EDITORIAL

O socialista brasileiro de esquerda
O socialista brasileiro está longe de ser santo: escraviza negros, asiáticos, mulheres e pobres em nome de uma ideologia maldosa.

A esquerda mundial e nacional, ambas maldosas, são escravizantes e estimuladoras da ignorância. Tentam, por meio da catarse ou da hipnose coletiva, convencer de que são o supra-sumo da bondade.

Conseguem à medida que associam a misericórdia universal à falácia de um governo “do povo”. Como o governo é do povo, é preciso existir o anti-povo. Para que o anti-povo, ou elite, possa existir, é preciso que as pessoas se odeiem e sintam muita inveja umas das outras.

A esquerda e os pecados capitais

Inveja é um vício, um pecado capital. Quando a inveja ocorre numa pessoa que ama ao próximo como a si mesma, ela se torna uma ambição virtuosa.

Já a inveja associada ao ódio leva ao crime, ao massacre, à tirania, ao medo e ao controle da alma de todos.

A esquerda gosta do ódio e da inveja, pois a partir de todos esses pecados, os demais podem surgir. Da inveja de que o outro seja melhor do que você surgem os crimes de roubo, de assassinato, crimes contra a propriedade. Do ódio surgirá a ira, a gula, a preguiça, a luxúria.

Porque uma mente odiosa não pode acordar pela manhã e desejar fazer o bem. Uma pessoa de esquerda que, porventura, venha a trabalhar numa empresa privada, sempre terá preguiça. Já uma pessoa de direita procurará melhorar mais a cada dia até conseguir avançar na carreira.

A mente odiosa é revolucionária

Uma mente odiosa prefere a luxúria, pois para ela tudo é péssimo, a vida é ruim e só melhoraria se houvesse um ditador do proletariado no poder estatizando tudo. Então o melhor caminho a seguir é usar drogas, fazer verdadeiras orgias com quem quer que seja e viver uma vida de luxo no processo. O que as pessoas de esquerda — que formam uma elite — mais querem é, justamente, viver no luxo material que a vida com muito dinheiro proporciona.

Não há mente odiosa, ou ainda, revolucionária, que não seja gulosa. São pessoas ambiciosas demais, a ponto de pegar o que não é seu para tomar para si. Essa gula da esquerda não é por comida, mas sempre por mais poder. Com o poder eles podem garantir o dinheiro, os benefícios, a liberdade e a autoridade que possuem diante do resto da humanidade.

A esquerda doutrinária

Se você fosse um brasileiro e professor de universidade federal no Brasil, você teria emprego garantido em qualquer lugar. Essa troca de apoio do movimento comunista é similar ao relacionamento de amigos, familiares e conhecidos de todos os grupos que têm algo em comum. Mas no comunismo, como não há meritocracia, ele chega a ponto de muita gente ruim ter cadeira cativa na frente de diversas gerações de alunos.

A esquerda também invadiu as artes cênicas. No Brasil, felizmente, não foi capaz de produzir bons filmes, salvo pouquíssimas exceções. Nos Estados Unidos, no entanto, a esquerda já se infiltra até em filmes de heróis de história em quadrinho ou filmes de comédia. O objetivo: hipnotizar as pessoas e convencê-las de que os ideais autoritários e tiranos de um supergoverno é muito maior do que você.

No Brasil temos visto a maldade dos “caridosos” de nossa esquerda aqui no Brasil. Sabemos que a prisão espera muitos desses que ainda não entenderam: o brasileiro não nasceu para a escravidão. O brasileiro quer ser livre. Livre de assassinos, corruptos e criminosos em geral.

A quantidade de filmes que adora colocar os indivíduos como apenas mais um, sem exaltar a importância da consciência, é uma forma deixar as pessoas absolutamente sem consciência. É o pensamento de manada que a esquerda usa para manipular o povo numa direção.

Muita gente acha que é de esquerda e nem é de verdade por causa dessa hipnose. Assista e entenda:

Esquerda aqui e ali: iguais

O fenômeno recente dessa mais nova maldade pode ser sentido no Brasil, onde a imprensa brasileira só repete o discurso da mídia esquerdista americana.

O resultado, óbvio, é que mesmo entre conservadores e liberais brasileiros a Hillary é preferida. A manipulação da mídia tornou Trump, no Brasil, uma piada, mesmo sendo um homem que criou um império gigantesco, sendo um grande construtor em seu país e no mundo.

Não importa se a figura fala a sua opinião com clareza. O que importa é a inteligência. Nesse aspecto, é impossível negar que Hillary, muitas vezes, parece a Dilma e não consegue fazer sentido. Enquanto o Trump é muito mais inteligente, capaz de dizer verdades com simplicidade, ainda que, por pura maldade, a mídia esquerdista americana altere o que ele diz na maior cara de pau.

Quer um exemplo? O mais óbvio de todos: acusar Trump de ser como um Hitler. Tudo porque Trump teria dito que é preciso tomar conta do problema da imigração ilegal nos Estados Unidos. O problema era a imigração ilegal num país que é totalmente construído por imigrantes legais. Os Estados Unidos não podem receber toda sorte de gente como vem acontecendo sob Obama.

Esquerda do Brasil é PT, nos EUA, os Democratas

Nessas levas, o Cavalo de Tróia tem entrado nos EUA. Há quem pense que o problema são só terroristas islâmicos, mas não: há criminosos latino-americanos, russos, asiáticos e tantos outros dentro das fronteiras americanas. Eles são responsáveis por crimes, mortes e estupros, mas essa maldade não é dita pela esquerda. Eles preferem defender imigrantes ilegais, desde que, posteriormente, eles consigam votar e influenciar voto nos Democratas.

O partido dos Democratas americano é o PT brasileiro e Hillary é uma personagem bastante parecida com outra mulher política que a Argentina conhece bem: Cristina Kirchner. O governo de Kirchner foi desastroso. O de Hillary seria ainda pior, pois ela colocaria de joelhos uma nação muito maior, levando o mundo todo consigo. Tudo para poder escravizar os pobres, negros, mulheres, gays e outros públicos cativos dos democratas em nome de bolsas, benefícios, pensões, saúde pública gratuita e universidades públicas gratuitas.

Só para a esquerda existe almoço grátis

Sob Obama, aliás, vem crescendo o fenômeno das “Community Colleges”. São faculdades nos mesmos moldes das Universidades Federais brasileiras. Infiltradas por professores esquerdistas, elas têm formado gente cada vez mais ignorante nas chamada “liberal arts”, que, nos EUA, são as “Artes de Esquerda“, como você pode notar nesse artigo do Washington Post.

O artigo começa assim:

Ok, talvez os conservadores tenham razão sobre a militância esquerdista nos câmpus das universidades.

Os estudantes de faculdade hoje são mesmo mais de esquerda e mais abertamente hostis à liberdade de expressão do que as gerações anteriores dos alunos.

Não acredita em mim? Há dados realistas para provar isso.

2300op-rampell0212-campus-speech
Estudantes contra a liberdade de expressão nas faculdades americanas. Matéria deixa claro que o que quer que seja que signifique “racista” ou “sexista” varia muito dentro da esquerda

A esquerda e a censura

Se essas realidades todas ainda não lhe comovem, preste atenção: estamos vivendo a censura do século 21, a censura da internet. Esse é o último passo da esquerda. Experimentado já há muitos anos na Rússia e na China, a censura na internet está chegando ao ocidente. Ela é politicamente correta e ocorre quando as redes sociais, como Facebook, YouTube e Twitter, principalmente, começam a censurar canais e pensadores de direita.

A censura vem crescendo bastante no mundo todo. Em grande parte porque temos, na ONU, diversos líderes de regimes totalitários com direito a voto. É natural que, para esses grandes escravagistas da história, a ideia de permanecer no poder para sempre é como um destino divino. Deixando os seus povos na ignorância e manipulando tudo a seu redor, vivem uma vida de luxo, ainda que bastante estressante.

O Avança Brasil mal lançou o seu site e vem sendo atacado desde o seu lançamento. Isso é mais um motivo para alertar a todos os brasileiros: a esquerda não é boazinha. É má. E vai procurar censurar quem quer que seja que publique verdades na internet. Não vai desistir. Sabemos disso. Mas iremos lutar contra a censura sempre, sempre a favor da liberdade de expressão.

A esquerda não desiste: conheça o novo Ministério da Verdade

A última tentativa, a mais recente, foi a da UNESCO. Inspirada no Ministério da Verdade do livro 1984 de George Orwell, a UNESCO resolveu mudar a história que está descrita na Bíblia e em tantos outros livros para favorecer ideologias de tiranos que querem a destruição de Israel.

Por outro lado, os rumores de uma Terceira Guerra Mundial nunca foram tão fortes. Os russos já pediram para os familiares de oficiais retornarem ao país, num pedido que manda diversos recados ao mundo. A Hillary e Obama estão brigando com Putin, pois acusam os russos de hackearem o servidor de e-mail dos democratas e da própria Hillary. Trata-se, pela primeira vez, de uma possível guerra mundial gerada não por duas nações, mas por um partido e um governo de esquerda.

A esquerda promete um mundo melhor e entrega pior

O mundo está mudando. Já não podemos mais confiar na mídia tradicional, nas universidades públicas, nas promessas de políticos. É preciso começarmos a acreditarmos em nós mesmos para que cobremos resultados reais dos responsáveis pela vida pública. É preciso que tenhamos a coragem de colocar um freio na tirania estatal. É preciso que o povo delimite o governo e seus intentos de escravizar a população.

O estado deve servir e jamais coagir os justos.

Lições de Roberto Campos

Roberto Campos sabia que a caridade da esquerda era tão falsa como uma nota de três reais. No entanto, 1 a cada 3 brasileiros é analfabeto funcional. E é nessa proporção que a esquerda continuará investindo para conseguir ter apoio de uma falsa maioria de ignorantes.

É preciso que a maioria dos que sabem ler e escrever tornem-se mestres de seu destino e comecem a caçar os traidores que destruíram os livres. É preciso que os homens livres saiam às ruas e façam, sem violência, as ações que precisem ser feitas. É preciso pressionar e delimitar os governos. Pois nós queremos acabar com as ideais de esquerda que destróem o nosso país.

O Brasil que queremos

E o que queremos pode ser listado. Não há nada mais simples do que uma lista. Ao começar qualquer obra, a primeira coisa que temos de nos preocupar é com os materias de construção necessários. A partir de uma lista pronta, é só irmos buscar todo o que precisamos. E está na hora de irmos comprar o país que queremos.

Ele é assim:

  • Direito à propriedade privada, pois é a propriedade que nos dá liberdade, e é a liberdade que nos traz felicidade.
  • Direito ao armamento pessoal para defesa não apenas contra criminosos, mas também contra a tirania do governo e do estado.
  • Impostos, juros e inflação baixa.
  • Governo que só gasta o que arrecada, e gasta o justo, cumprindo o orçamento e colocando teto no aumento de gastos.
  • Fim do foro privilegiado, para que haja igualdade perante à lei e à justiça.
  • Direito à alfabetização e numeração de todos os brasileiros, pelo fim da ignorância e do erro.
  • Voto distrital com lista aberta, eliminando as distorções do atual sistema eleitoral do Brasil.
  • Voto impresso com urnas auditáveis, ou voto em papel com contagem eletrônica e auditoria manual, com apurações abertas ao povo.
  • Fim da impunidade, criminalizando todas as formas de corrupção e caixa dois.
  • Criminalização da solicitação de doação eleitoral em privado. Político só pode pedir doação para empresas e pessoas em eventos públicos, jamais em reuniões secretas. Com isso seria possível até mesmo permitir a doação de pessoas jurídicas sem receio. Se algum político ou assessor viesse pedir alguma coisa, seria crime.
  • Facilitação e estímulo ao empreendedorismo, à inovação e à pesquisa.
  • Educação focada em habilidades relevantes para a formação de profissionais altamente qualificados para fortalecer o Brasil como nação do futuro.

Lições para a esquerda

Repasse esse texto às pessoas de esquerda. É preciso que até elas mesmas se convençam do mal que causam ou que, ao menos, deixam os que eles apoiam causar.

Muitos deles sabem que são malvados, mas outros ainda não sabem. E precisam descobrir, pois o mundo está com a esperança de se encher de novas virtudes, enterrando antigos vícios.

Que assim seja.

Deixe uma resposta